Hip-hop se torna patrimônio cultural imaterial do estado do Rio

Hip-hop se torna patrimônio cultural imaterial do estado do Rio

Texto proíbe discriminação e garante prioridade à manifestações ligadas ao tema

RIO — Uma das cenas culturais contemporâneas mais fortes do Rio de Janeiro ganhou nesta quarta-feira um importante reconhecimento. O hip-hop agora é oficialmente considerado patrimônio cultural imaterial do estado.

A lei de autoria dos deputados Marcelo Freixo (PSOL) e Zaqueu Teixeira (PDT) foi aprovada na Alerj e sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão. O novo status garante ao ritmo e a todas as suas manifestações artísticas, como a dança break, grafite, rap, MCs e DJs, a realização de suas manifestações próprias, sem quaisquer regras discriminatórias.

A lei proíbe que sejam criadas regras para a realização de eventos de hip-hop que sejam diferentes das que regem outras manifestações culturais, e proíbe qualquer tipo de discriminação ou preconceito, seja de natureza social, racial, cultural ou administrativa.

A proposta determina ainda que assuntos relativos à cultura hip-hop deverão, prioritariamente, ser tratados pela Secretaria Estadual de Cultura, que poderá abrir edital específico para apoiar iniciativas ligadas ao tema.

O gênero que superou em 2017 pela primeira vez na história o rock, e se tornou o mais popular dos Estados Unidos, vem movimentando diversos artistas e fãs pelo Brasil inteiro. Além do Rio de Janeiro, estados como São Paulo, Minas Gerais e Bahia vêm apresentando cenas hip-hop cada vez mais consolidadas e vibrantes.

Fonte: O Globo