Erasmo Carlos sobe ao palco do Festival Sesc Rio de Inverno em Teresópolis nesta sexta-feira, dia 19-07

Erasmo Carlos - Crédito Edu Lissovsky (03)Festival Sesc Rio de Inverno – 13/7 a 28/7/2013

Erasmo Carlos sobe ao palco do Festival Sesc Rio de Inverno em Teresópolis nesta sexta-feira, dia 19/7-Tremendão colocará o público para dançar com sucessos da carreira no show Sexo & Rock´N´Roll

Para comemorar os 50 anos de estrada, o cantor e compositor Erasmo Carlos está rodando o país com seu show Sexo & Rock´N´Roll, e uma das paradas dessa turnê é Teresópolis, durante o 12º Festival Sesc Rio de Inverno, sexta-feira, dia 19/7. No show, que inicia às 21h30, na quadra do Sesc, o Tremendão fará um passeio por todas as fases da carreira cantando sucessos como “Sentado à beira do caminho” e “Minha fama de mau”, além de composições dos CDs “Rock´N´Roll” e “Sexo”. Os ingressos, que podem ser adquiridos no site www.ticketsforfun.com.br, custam R$ 30. Associados do Sesc Rio pagam R$ 8.

No show, o parceiro de Roberto Carlos, com quem compôs mais de 500 canções, sobe ao palco sem pudor, porém divertido, terno, corajoso e criativo. Na sua companhia, ele terá o maestro José Lourenço (teclados), Percy (guitarra), Billy Brandão (guitarra solo) e os novatos “Filhos de Judith” Pedro Dias (baixo), Luiz Lopez (guitarra) e Alan Fontenele (bateria). O show de Erasmo Carlos está entre as cerca de 200 apresentações deste que é o maior evento cultural do estado e que se estende até o dia 28 de julho, nas cidades de Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo sob o mote “move envolve e compartilha”.

Nascido em 1941, no Rio de Janeiro, Erasmo Carlos cresceu cercado por elementos que tornariam sua identidade musical singular. Ainda adolescente, formou o grupo Snakes com os dissidentes de outro grupo local, os Sputniks – que encerraram atividades após lendária briga entre dois de seus integrantes, Roberto Carlos e Tim Maia. A banda estrelou algumas aventuras no underground do mercado musical, até ser contratada pela gravadora pernambucana Mocambo como “concorrentes” dos Golden Boys. Os Snakes gravaram um bolachão de 78 RPM e também um compacto duplo em 1960, antes de chegarem, por fim, a um único LP, “Só Twist”, pela CBS, em 1961. Como nem nesta oportunidade o grupo alcançou o sucesso, seu final foi decretado.

Sem seu conjunto e sem a perspectiva de gravação como artista solo, Erasmo foi arranjar trabalho como assistente do apresentador e produtor Carlos Imperial – por intermédio de quem viria a tornar-se crooner do grupo Renato & Seus Blue Caps, em 1962. Com Erasmo dividindo os vocais com o baixista Paulo César, Renato & Seus Blue Caps lançaram seu primeiro LP. Não muito depois, os Blue Caps acompanhariam Roberto Carlos na gravação de “Splish Splash”, numa versão para o português feita por Erasmo. O sucesso do disco garantiu não só a contratação do grupo pela CBS, como também o nascimento da lendária parceria entre Roberto e Erasmo.

Ao mesmo tempo, Erasmo tornou-se versionista para diversos artistas. Isso, somado ao sucesso de suas parcerias com Roberto, o levou no final de 1964 até a gravadora RGE, para ser o nome do selo no já disputado mercado do iê-iê-iê. A Jovem Guarda agrupou as influências do pop britânico e ganhou popularidade definitiva a partir de setembro de 1965, quando a TV Record estreou o programa “Jovem Guarda”. Apresentado por Roberto, Erasmo e Wanderléa, o programa deu visibilidade para que a dupla se tornasse o principal nome do gênero.

Influenciado pelo movimento tropicalista e pela música negra americana, cravou sequência antológica de discos durante a década de 70, como “Carlos, Erasmo…” (1971), “Sonhos & memórias 1941-1972” (1972) ou “Pelas esquinas de Ipanema” (1978). Tal fase desembocaria, já no início dos anos 80, em período de grande sucesso comercial, com os discos “Erasmo Carlos convida…” (1980), “Mulher (Sexo Frágil)” (1981) e “Amar pra viver ou morrer de amor” (1982).

Após trabalhar mais esporadicamente durante a década de 90 (quando regravou antigos sucessos, participou de homenagens à Jovem Guarda e de discos-tributos vários), em 2001, completou 60 anos e lançou seu 22º disco, “Pra falar de amor”. Em 2002, os 40 anos de carreira de Erasmo foram comemorados com o lançamento da caixa “Mesmo que seja eu”, contendo toda a sua discografia no período 1971-1988. Em 2003, no 10º Prêmio Multishow de Música, Erasmo foi o grande homenageado da noite, com um prêmio especial pelo conjunto da obra.

Em 2009, publicou o livro “Minha fama de mau”, reunindo suas memórias. Neste mesmo ano, produziu o CD “Rock’n’Roll” em que Erasmo retoma seu lado mais roqueiro. Em 2012, lançou o disco “Sexo”, com participações de Arnaldo Antunes, Adriana Calcanhoto, Chico Amaral, Nelson Mota e Frejat. Para comemorar os 50 anos de carreira, gravou DVD e CD em show, ao vivo, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro.Erasmo Carlos - Crédito Edu Lissovsky (04)

Repertório

  • Kamasutra
  • Sou uma criança, não entendo nada / Filho único
  • Mesmo que seja eu
  • Amorticídio
  • Mulher (Sexo frágil)
  • Minha superstar
  • Roupa Suja
  • Gatinha manhosa
  • Sentado à beira do caminho
  • Apaixocólico anônimo
  • Jogo sujo
  • Panorama ecológico
  • Sexo é vida
  • É preciso saber viver
  • Quero que vá tudo pro inferno
  • Minha fama de mau
  • Vem quente que eu estou fervendo
  • É proibido fumar
  • Festa de arromba

SERVIÇO

  • Erasmo Carlos
  • Sesc Teresópolis
  • 19/7 – sexta-feira – quadra – 21h30
  • Classificação etária: 18 anos
  • Ingressos: R$ 10 (associado Sesc Rio), R$ 20 (estudantes e idosos) e R$ 40 (inteira)
  • Duração do espetáculo: 75 minutos
  • Capacidade: 450 lugares

Fotos: Crédito Edu Lissovsky

Fonte:Carlos Felipe de Araújo/Assessoria de Comunicação Sesc Rio

Vídeo Exclusivo Terê Total no link